<body background="http://layouts.cbimg9.com/33/16632d.jpg"><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d387556668138640154\x26blogName\x3dOs+pensamentos+loiros+da+Ticha\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ospensamentosloirosdaticha.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ospensamentosloirosdaticha.blogspot.com/\x26vt\x3d2976911895795108322', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>



Esperança?!?

Que é isso?

Por isso é o Sporting tem uma casa de banho em vez de um estádio.. É porque pode fazer merda lá dentro e esperar que alguém descarregue o otoclismo (acho que é assim que se escreve porque, honestamente, nunca escrevi esta palavra na minha vida...)!

Eu cá sou uma pessoa que, apesar de ter o problema das expectativas, vivo o dia-a-dia com os pés bem assentes no chão... Vivo com aquilo que a vida me dá, sempre com a ambição de querer mais ( e não é assim que deve ser?)... Querer mais amor, mais compreensão, mais um bocadinho de dinheiro ( mas não é preciso muito porque não preciso de ter o Banco de Portugal (se bem que este está a caminhar para a bancarrota, mas não estamos todos?) para ser feliz... Sinceramente, existem coisas que o dinheiro nunca vai poder comprar, como é o caso de um sorriso verdadeiro, de um conselho sincero ou de um amor verdadeiro...)... , de ser boa profissional, boa mãe...

Se formos ao dicionário, esperança quer dizer « crença emocional na possibilidade de resultados positivos relacionados com eventos e circunstâncias da vida pessoal. A esperança requer uma certa perseverança — i.e., acreditar que algo é possível mesmo quando há indicações do contrário. »

Ora, como não sou uma pessoa de grandes sonhos, tudo aquilo que desejo tem base de realização (com esforço, trabalho e alguma sorte ;) )... Logo, não sou de grandes esperanças...

Eu não sou muito crente nessa coisa a que os portugueses chamam de Sebastianismo que, basicamente traduz uma inconformidade com a situação política vigente e uma expectativa de salvação, ainda que miraculosa, através da ressurreição de um morto ilustre, e que nós adaptamos a tudo na nossa vida...

Porque é que havemos de esperar e de acreditar na chegada de um Messias? Alguém me explica por que (este «por que» está muito bem metido... não sei o nome da regra que estabelece o decreto e tal mas sei que se encontra a substituir a expressão «a razão pela qual»... Bem, e depois deste momento de serviço público retomemos o meu racíocinio...) é que EU não posso ser o Messias da minha vida? No fim do dia, acabamos por ver que nós é que temos as rédeas do destino nas nossas mãos, portanto, fazemos dele o que queremos (de acordo com os meios que temos para agir...)

E concluo, se te sentes mal com algo, AGE! Não percas momentos da tua vida preciosa (e ambos sabemos que esta passa a correr...) a viver em esperanças vãs (por vezes utópicos) e AGE!
O TEMPO URGE E A ACÇÃO É NECESSÁRIA!

(Confesso aqui, meu caro leitor, que só tenho esperança num lema... What goes around, goes around, goes around, comes all the way back around... But you should know that...)
Listen @ 22:53



Estive a pensar...

O amor é um sentimento muito positivo e lindo mesmo...
O problema é que nos relacionamentos afectivos já se encontra pouco...

Relacionamentos fugazes é o que mais se vê simplesmente devido ao gosto pela lurúxia, poder ou dinheiro... Sempre existiram mas nunca época onde vivemos rodeiados de contradições ( por exemplo, movimentos pacifistas vs. guerras mundiais; fundamentalismo vs. globalismo, etc, etc.), somos realmente o resultado de uma barbárie que nós próprios criamos (nós, a tal civilização ocidental que tanto oprimiu o resto do mundo e que julgavamos ser superior)...
Consequência: somos o espelho de um mundo decadente e desacreditado do pacifismo e do diálogo como força maior para a resolução de problemas, logo, o amor está deteriorado nas suas mais diversas formas: pais que compensam filhos com materialidades absolutamente desnecessárias que em nada irão beneficiar o futuro adulto que ali se encontra em potencial; casais que se enganam tanto a nível da traição (onde buscam em terceiras pessoas a solução para as carências que sentem - sendo estas oriundas de diversas causas - resultando numa felicidade e solução aparente, quando o problema de base continua sem ser solucionado) como ao nível psicológico (oprimindo aquilo que realmente são, o que querem e desejam em nome e em benefício directo para o cônjugue - o que, na maioria das vezes, não vale mesmo a pena); amizades por interesse ( onde nada se faz sem se pensar receber nada em troca ); e até doações ( diz-se por aí que se deve dar com a mão direita e esconder a esquerda porque quando se dá algo a alguém tal acção deve ser feita com motivações verdadeiramente de ajuda ao próximo sem ser para ostentação, o que não envalida as mega acções de caridade efectuadas pelos media)...

Continuo piamente a acreditar que é possível que tudo isto mude... Eu pelo menos tento, a cada dia que passa, melhorar-me como ser humano...

Tudo isto faz com que às vezes olhemos para alguém, que estimamos ou não, e pensemos de que raio é que aquela pessoa é feita, por que razão terá feito algo... Não lhe acontece isto?
Nessas alturas, cabe-nos a nós decidir se queremos ou não que X pessoa continue na nossa vida...
Tantas vezes penso como é que há pessoas que mudam tanto, como ficam tão diferentes... Já levei com cada decepção que até chega a parecer que nem conheço a pessoa que tenho à minha frente... O meu último problema foi realmente uma questão de expectativa... Esperava algo de alguém que não me podia dar o que realmente preciso... Nem fui aquilo que sou, demonstrando ser um ser demasiadamente frágil e infantil... Graças a Deus que voltei a ser o que sou!

É o efeito que as experiências que passamos têm em nós...

Enfim, a volta que esta minha divagação deu... Mas é que existem coisas à minha volta que me incomodam...
E pensar que o mundo "caminha alegremente para a bancarrota" das relações humanas mexe comigo e deu-me mesmo vontade de fazer uma pequena adaptação d' Os Maias, do genial Eça, aos dias que correm...

E por aqui me fico (até que isto foi terapêutico para mim)... Ouvindo a " What's you made of" da Lucie Silvas com o Antonio Orozco, que, por acaso, até tem muito a ver com o que disse...

(esta postagem já é antiga pois tava no meu outro blog... Mas continuo com esta ideia e resolvi partilhá-la com todos aqueles que só agora me visitam..)
Listen @ 22:13



LI ISTO ALGURES NO BLOG se_eu_soubesse.blogs.sapo.pt E RESOLVI POSTAR ISTO... COMPILEI AS PARTES QUE MAIS CONCORDEI APESAR DE TER A CERTEXA QUE A MENTE HUMANA E AS RELAÇÕES AFECTIVAS NUNCA SE VÃO CONSEGUIR EXPLICAR NUM LIVRO NA MEDIDA EM QUE CADA CASO É UM CASO, AS SITUAÇÕES DE VIDA ÀS VEZES COMPLICAM MUITA COISA... FUI FAZENDO UNS APONTAMENTOS EM MAISCULAS PELO CAMINHO...

«O Sr. Greg notou que as mulheres têm dificuldade em perceber que o parceiro não quer ter mais nada com elas, inventando desculpas para acreditar que eles um dia quiçá voltam. Já os homens perante um facto semelhante embebedam-se, vêm televisão ou fazem desporto, até lhes passar a neura.
. As mulheres queixam-se que as palavras e acções dos homens são contraditórias (CERTO CERTO CERTO DIGO EU TICHA LEITE). Os homens agem desta forma porque (cito) “são mais simples do que as mulheres imaginam.” Das duas uma: ou estão interessados e lutam pela mulher, ou não estão interessados mas não têm coragem para o dizer, pois detestam escândalos e choradeiras, por isso “desaparecem após o primeiro encontro sem dar satisfações”.
Comentário meu: Pois, eu chamo a isso cobardia!
. De acordo com o Sr. Greg as desculpas mais frequentes dos gajos são: o trauma com relações anteriores ou a dificuldade em “conciliar o excesso de trabalho com a vida pessoal”. Ainda temos os que namoram anos a fio e que para evitar casar, “dizem que são contra o casamento.” Diz o Sr. Greg que isso não é assim: quem está interessado livra-se do trauma e do excesso de trabalho, para não perder a mulher.
Comentário meu: Concordo! (CERTO CERTO CERTO DIGO EU TICHA LEITE SE BEM QUE POR AMOR ATÉ ME AJUNTAVA APESAR DE QUERER ASSINAR O PAPELINHO E SUBIR O ALTAR)
. E a maior mentira que os homens dizem é: “o problema não és tu, sou eu”. (POIS POIS POIS DIGO EU TICHA LEITE) Na verdade diz o Sr. Greg o que eles querem dizer e não têm as bolas no sítio para o fazer é “O problema da relação és tu, porque eu não quero continuar o namoro.”( SINCERIDADE PORQUE NÃO AMIGOS? DIGO EU TICHA LEITE)
Bis do comentário do 2º parágrafo: Pois, eu chamo a isso cobardia!
. O Sr. Greg já usou esta desculpa e informa ainda que já ouviu cavalheiros afirmar “que não é preciso terminar uma relação, basta inventar uma desculpa sempre que elas quiserem sair com eles.”(ISSO COMIGO NÃO PEGA DIGO EU ,TICHA LEITE, LOGO EU QUE TENHO VERTENTE DE CHEFE; EU CEDO MAS TAMBÉM GOSTO QUE CEDAM!)
Tris do comentário do 2º parágrafo: Pois, eu chamo a isso cobardia!
. E a melhor forma para acabar um namoro? O Sr. Grag aconselha que tal atitude seja tomada só quando temos “a certeza de que a relação não funciona”, explicando que é uma perca de tempo manter aquilo, uma maldade e uma “atitude egoísta”.
Comentário meu: já a querida Mamã me ensinou que devemos bater no fundo do poço para que quando terminamos seja um alívio!
. Pelos vistos no primeiro livro o Sr. Greg informou as miúdas que deve ser o cavalheiro a convidar para sair e não o contrário. Esclarece nesta entrevista, entre outros detalhes sobre a questão, que se a malta do sexo feminino só quer “diversão e sexo casual” então podemos tomar o primeiro passo, se queremos comprometimento, devemos aguardar que ele tome a iniciativa. E o maior erro que as mulheres fazem é “ficarem disponíveis demais”, “já não existe o desafio da conquista. E, se se torna muito fácil, perde a graça.”
Comentário meu: Sou da mesma opinião! Mas em pleno séc. XXI eles ainda querem ser caçadores...e elas sem vontade de serem a caça.
(...)
O Greg (por esta altura já é intimo da casa) também informa que ambos os sexos almejam a mesma coisa de uma relação – casar e ter filhos, o problema são as prioridades – os homens não gostam tanto de conversar mas querem sexo a toda a hora.( E NÃO É TAO BOM QUANDO TEM O AMOR MISTURADO (INGREDIENTE ESSENCIAL), PERGUNTO EU TICHA LEITE?) “Isso não significa que esteja desinteressado pela mulher. É apenas uma característica masculina. Muitas mulheres não entendem isso.”
(...)
Quando a entrevistadora questiona o nosso Greg sobre o facto de “o solteiro convicto existe” ou “é uma desculpa (...)?” somos informados que também os empedernidos casam mas que “os homens encontraram uma forma de dispensar a namorada que já não querem sem dizer que ela não é a mulher da vida deles.”
Comentário meu: Pois, eu chamo a isso cobardia!
. De acordo com o querido Greg, os homens não percebem porque somos tão implicativas com as atitudes deles, mas nós, gajas, queixamo-nos mais deles do que eles de nós. “Eles admitem que não entendem as mulheres, mas não estão preocupados com isso.”
No comments...
. Para terminar, somos informados pelo amigo Greg que muitas mulheres que leram os livros dele ficaram chocadas “mas depois sentiram-se fortalecidas porque tudo o que queriam era saber o que os homens realmente pensam.”( QUEM ME DERA SER UMA MOSCA... MAS COMO PERCEBO UM BOCADINHO DE LINGUAGEM CORPORAL ENTENDI QUE NEM TUDO O QUE A BOCA DIZ CONRRESPONDE A VERDADE, DIGO EU TICHA LEITE!)
Listen @ 01:41



É verdade, Hélder... Estava eu a navegar pelos mares do You Tube quando subitamente me lembrei de ti... Esta é a tua imagem quando o El Açor terminar... Imaginei-te a sair da última festa do El Açor...
Chamo à atenção para o espírito académico demonstrado pelos condutores das viaturas. É graças a eles que o embriagado está vivo! Portanto, com toda a cangança vai para eles um FRA!



Listen @ 05:24



É verdade... O Carnaval já passou... Mas as dores nos pés perduram!
Ah pois é... O que sofremos não é meninas?

Bem, e é ao som do desaparecido Zé Cabra (esse grande cantor português que deixou tudo por ela... Ainda hoje me pergunto... quem será a sortuda!?!?!) que vos conto o meu Carnaval.

Sexta-Feira de Carnaval resolvi vestir-me de freira e revelar a santa que há dentro de mim... Admito... Fiz um exorcismo às energias religiosas! Lá fui eu de freirinha de mini-saia... Recebi alguns pedidos de orações...;
No Sábado, optei por outra vertente que estava esquecida no meu passado de adolescente... É mesmo, apesar do meu quarto já não ser um mural de homenagem ao meu querido SLB (essa fase da adolescência já passou), resolvi utilizar o material benfiquista que ainda está à mão (não, não usei a colecção de recortes de artigos do jornal «A Bola» nem os 57 posters dos encarnados nem sequer levei o CD Somos Benfica... Estes ficaram em casa no baú das recordações...) e vesti-me de cheerleader... Lá fui eu de camisa e cachecol (acompanhada pela minha querida mini-saia da correntinha hihihi) mas, lembrando-me da não-vitória do SLB na Taça de Portugal, resolvi navegar no mundo das bebidas brancas...
Bem, Domigo é dia santo por isso resolvi ficar por casa...
WEAH e já era Segunda-Feira! O dia que eu aguardava... Coliseu lá fui eu! Depois de ter passado pela vertiginosa ida ao cabeleireiro, onde as senhoras de mais idade que já mal podem com as canelas estavam a fazer aqueles penteados volumosos de 1ªministra, vim para casa (mas devagar para ver se o penteado se aguentava) e esperei... Vesti o meu vestidinho, pôs uma nesquinha de base para disfarçar a palidez do mês de Fevereiro, pintei princepescamente os olhinhos e a boca e esperei pelos meus james para irmos bailar pelos com um estilo de bond... Como fomos fazer um aquecimento antes de irmos para a sala de espectáculos, enfiei o tacão do meu sapato preferido lindo(sim, o meu amigo da night!! Lindo, lindo) numa greta da calçada do campo de São Francisco tive que vir a casa trocar por uns outros que diziam bem e que já tinha usado com um vestidinho numa ocasião anterior (daí ter ficado com dores nos pés porque só os usei uma vez!)... Enfim, enchi a proa de glamour e lá fui eu bailar (deixei a minha vida tão bonita e singela... Isto ainda é Zé Cabra)... Tava tão cheio, tão cheio que perdi os meus brincos novos! NÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!! Ah pois é, acontece... Nosso senhor há de dar outros!
Depois da noite acabar fui toda ******** dos pés comer uma tosta mista (pelos menos não é a sandes tostada das sagradas do bar da UAC) com uma meia de leite (ainda não percebi porque não é completa) e fui para o vale dos lençois da minha caminha, depois de ter ido passar o corpinho por uma aguinha morninha, onde nem sequer levei com uma lima...

E por aqui me fico... (Deixem-me agora trocar de faixa musical...)
Listen @ 04:33